11.11.07

Gracias Margarida!

esquizofrenia: do Gr. skhízein, fender + phrén, phrenós, espírito
s. f., género de psicose; cissão ou dissociação psíquica.

in Priberam

Recentemente, em entrevista à revista Pública, Margarida Vila-Nova afirmou: "É impossível não haver alguma esquizofrenia naquilo que faço. Ora choro, ora rio, ora estou contente, ora estou em pânico. São processos sempre muito intensos que obrigam a uma grande entrega. É um descontrolo emocional diário, e por mais que se queira, não é assim tão fácil não levar a personagem a passear depois do trabalho."

Há algum tempo, em entrevista à RadioCable, José Saramago afirmou:
"O problema é que isto (Second Life) se converta num vício que acabe por fechar a pessoa em si mesma, quer dizer, não só em si mesma como na sua personagem. E aqui podemos ter dúvidas sobre o que é mais real: se a pessoa que delega numa personagem todas as suas frustrações, ilusões sonhos, medos, (...) e pode-se chegar, por aqui, a uma situação de pura esquizofrenia."

Coincidências entre as palavras de Margarida Vila-Nova e de José Saramago:
- ambos falam de pessoas e de personagens
- ambos referem que a convivência entre o indivíduo e a personagem tem algo a ver com esquizofrenia

Para aliviar o semblante carregado de Saramago quando falou de Second Life, guardo as palavras de Margarida: "...não é assim tão fácil não levar a personagem a passear depois do trabalho"... E dou de barato o uso e abuso da palavra esquizofrenia!

Gracias, Margarida!

3 comentários:

Anónimo disse...

ó paulo essa defesa intransigente não é meia doentia? Aquela animação flash com posiçoes sexuais já deixava antever alguma demência, e agora esta sequência de episódios ainda o torna mais claro. O problema é quem te leva a sério.

Paulo Frias disse...

"defesa intransigente"? Não posso comentar porque, por princípio, não respondo a comentários anónimos :( mas que me apetecia, lá isso apetecia...

Mar Tomorrow disse...

Não sei a que animação fash a que o ou a sr (a) anónimo se refere e nem me interessa. Mas não acham que este tipo de comentários são desnecessarios e ridiculos? Um blog é escrito por alguem que tem as suas ideias e escreve o que acha interessante ou simplesmente lhe apetece naquele determinado momento. Quem não gosta de um determinado blog, não tem porque le-lo.
Paulo, na minha opinião, a resposta foi mais que suficiente. Espero que continues este blog, que tanto me acompanha nas minhas leituras diárias.