18.12.07

Cientistas portugueses em SL

Diva Canto já foi referida neste blog a propósito do projecto SL Browser (um gadget/motor de busca para Second Life).

Diva Canto em Second Life é Crista Lopes na RL, investigadora portuguesa e professora associada em Informática na Bren School of Information and Computer Sciences da Universidade de Irvine.

Em entrevista ao ocregister, Diva confessou a sua entrada em Second Life em Fevereiro de 2007, onde descobriu que a Física simplificada de Second Life está muito próxima das leis da Física do mundo real, e que SL pode ser usado como uma ferramenta de simulação mais económica para pequenas e médias empresas. "É uma alternativa de baixo custo aos programas de simulação mais sofisiticados usados por designers na indústria em grandes empresas como a NASA ou a Boeing", afirmou Crista/Diva.

Em Março, a cientista portuguesa começou a trabalhar no referido projecto SL Browser com William Cook, um colega da Universidade do Texas em Austin, terminando o motor de busca em Junho.

Em Maio deste ano, o interesse de Diva em Second Life 'levou-a' ao projecto SkyTran, um sistema de transporte alimentado a energia solar e que funciona com levitação magnética. A proposta foi da Unimodal Inc., uma empresa de Irvine, que trabalha numa rede de transporte com cabines suspensas para duas pessoas na cidade, num sistema semelhante para Los Angeles e num outro SkyTran que liga o norte e o Sul da Califórnia.
"Eram uma empresa startup e precisavam de ajuda", afirmou Diva. "Contactaram o Institute for Software Research da Universidade de Irvine, e eu segui o contacto."

Durante o Verão, Anton Popov e Lorraine Kan, estudante graduados, construíram a versão virtual do SkyTran na TechCoast, a ilha em Second Life detida pela Escola de Ciências de Computação da Universidade de Irvine.

"Eventualmente, a Unimodal quer construir um sistema para toda a cidade. Precisam de fazer uma simulação primeiro" diz Diva. O trabalho dos cientistas da Universidade baseou-se num "interesse puramente académico". " Não faço ideia se vai funcionar. Existem 50% de possibilidades de Second Life ser suficientemente bom para as simulações."

Um pequeno clip sobre o projecto SkyTran pode ser visto aqui.



Ricardo Morla
, outro cientista português em Post-Doutoramento em Irvine, trabalhou com Crista na Universidade americana, e trabalha na transferência da linguagem de programação de Second Life para um sistema Linux. Isso permitirá o controlo do software criado por Crista para o SkyTran virtual, que será usado num PC real para controlar o SkyTran real.

Entretanto Ricardo regressou a Portugal, e prossegue a sua actividade de investigação no INESC do Porto, onde orienta alguns alunos que trabalham em Second Life em processos de RFID (Radio Frequency Identification), por sinal na ilha da Universidade do Porto em Second Life.

Ricardo Morla foi ainda co-responsável com Paulo Frias pelo projecto UP.cube, um sistema de votação e acompanhamento de resultados em tempo-real ligado a uma base de dados na Web, e implementado na ilha da U.Porto.

1 comentário:

M2life disse...

E na Academia Portucalis já tivemos o prazer de ter tido uma aula tendo como formadora a Diva :-)