22.2.09

'Contrato' e 'Second Life'

Em véspera da entrega dos Óscares da Academia, decidi ir ver o 'Contrato'!
Confesso que ainda não sei bem porquê, uma vez que já tinha visto 'Second Life'...

Imaginava o filme de Nicolau Breyner uma espécie de 'falso gémeo' do filme de Alexandre Valente, ou vice-versa. São de facto igualmente maus!

Porque é que em dois filmes, rodados na mesma altura, Nicolau faz de milionário invisual, num deles de origem italiana (o que lhe deu para treinar a língua) e no outro de origem cipriota (não se sabe se da parte turca ou grega, porque o actor não diz nada no seu idioma de origem)?

Porque é que em ambos os filmes existem personagens estrangeiras que 'obrigam' à utilização de outros idiomas e à consequente legendagem?

Porque é que em ambos os filmes a Cláudia Vieira aparece em destaque, embora num encarne o papel de uma casta italiana controlada pelo papá, e no outro uma enfermeira mafiosa e sensual onde faz valer os seus atributos físicos timidamente filmados? (em Portugal ainda vamos na 'fase do mamilo', uma das fases do desenvolvimento bem explicada por Sigmund Freud)

Porque é que em ambos os filmes se aborda uma relação lésbica, embora um deles seja pretensamente mais ousado filmando Sandra Cóias e Liliana Santos numa cena ridícula de aproximação física (qualquer mulher que goste de mulheres se deve rir da encenação), e no outro apenas se faça alusão à 'devassidão' de Cláudia Vieira numa alegada relação com mulheres?

Porque é que em ambos os filmes os actores são quase os mesmos (embora num deles tenha havido alguns convites-extra a gente de outros 'mundos')?

Estranha, esta vaga cinéfila no início do ano das crises.
Estes também são dois bons exemplos de que anda uma crise enorme no cinema comercial português, precisamente num ano em que a Academia se 'cola' aos realizadores vindos da produção independente (pelo 'efeito Obama'?).
Por um lado, os filmes produzidos por Paulo Branco, por exemplo, suam as estopinhas para juntar umas dezenas de milhar de entradas em cinemas alternativos, enquanto Second Life e Contrato contam já centenas de milhar de espectadores por todo o país!

Alguém me pode explicar tanta coincidência, por favor?

2 comentários:

desertosubterraneo disse...

O Paulo Branco gosta mais de cavalos do que de cinema.

Anónimo disse...

É a fase soap opera do cinema em Portugal se a seguir ao lesbianismo com caras das novelas juntarem animais nas cenas o Paulo Branco está safo.