21.1.09

Rendimento familiar aumenta em 2009!!!

Depois da ressaca comemorativa de ontem (thanks, Presidente Obama, por um dia de sorrisos abertos), ao País permite-se que volte à realidade da depressão de 2009.

Por entre orçamentos rectificativo-complementares, parece que o rendimento familiar disponível em 2009 vai aumentar! Os especialistas dividem-se quanto às engenhosas formas de calcular o milagre, mas algo terá a ver com a actualização das tabelas de retenção de impostos ou com o crescimento das remunerações superior à taxa de inflação...

Na prática, no final do mês as famílias portuguesas terão mais dinheiro disponível num País deprimido, onde ninguém parece ter capacidade psicológica para investir, e onde o maior desafio parece ser quem consegue carpir as suas mágoas mais alto.

As milagrosas fórmulas inventadas em instalações públicas também deprimidas, partem do princípio de que o aumento das remunerações sobe... desde que haja emprego e que as empresas não encerrem!

Mas com mais uns trocos no bolso, o cidadão deprimido tem que se tratar. Aí reside o verdadeiro problema: para combater a depressão instalada, as farmácias vendem umas pastilhitas (vulgo anti-depressivos combinados com ansiolíticos) que, por acaso, são caras como o raio porque não são comparticipadas!

Ou seja, os valores acrescentados ao escasso orçamento familiar vão ser meticulosamente canalizados para Xanax, Prozac e Champix (este último para os gajos que decidiram deixar de fumar porque era caro à brava, mas que gastam mais dinheiro nas pílulas de cessação tabágica não comparticipadas!), num SNS estranho que favorece alguém que não o consumidor...

Mas em que porra de encrenca estamos metidos!

Tentando não ser pessimista (o que custa à brava), vou tentando acreditar que no final de Janeiro o rendimento familiar tenha aumentado. Se me convencerem mesmo disso, eu até sou capaz de esquecer as pastilhas! Também já me convenceram de cada coisa nesta vida...

1 comentário:

Evclides disse...

Eu moro numa terra que tem por orago um santo chamado... Tomé.
Cumps